Compartilhe:



O chefão em xeque: Davi Alcolumbre, um senador que não é impossível ser derrotado em 2022

Algo que parece impossível diante do poder das máquinas, mas pode se tornar possível por conta da enorme rejeição de Davi Alcolumbre, principalmente após os efeitos do apagão energético e a posterior derrota do irmão Josiel Alcolumbre em Macapá, já tira o sono do "chefão", apelido de batismo dado pelo ex-senador Gilvam Borges, opositor da oligarquia Alcolumbre.

O mesmo feito que parece impossível hoje quando se fala em derrotar Davi Alcolumbre, parecia quase impossível também na disputa pela PMM e foi realizado pelo médico Antônio Furlan, que não era o favorito em todas as pesquisas nos primeiros meses de 2020, mas acabou vitorioso.

Davi ainda enfrente forte desgaste de eleitores progressistas e lulistas que lideram pesquisas no Amapá, justamente por apoiar pauta antipopulares. O mesmo também enfrenta uma chuvas de críticas, tanto de eleitores progressistas como de bolsonaristas radicais por votar propostas polêmicas em plena pandemia.

O senador apoiou o aumento do Fundão, votou à favor da privatização da Eletrobras que não é algo bom para o Amapá que ainda padece com apagões. O seu voto já gera efeitos imediatos com o aumento do preço da energia. Davi também carrega no colo o fato de ter votado pautas que prejudicam os servidores amapaenses que sustentam a falida economia do contracheque: Reforma da Previdência, Reforma Trabalhista, PEC da Morte que congela salários e investimentos em Saúde e Educação, além de várias propostas que atacam os trabalhadores.

Davi é considerado um verdadeiro inimigo da classe trabalhadora na visão das centrais sindicais e sindicatos e mais recente foi transformado no “capeta” por setores evangélicos que apoiam o bolsonarismo, justamente por trancar ou retardar a tramitação da indicação de Mendonça ao STF na CCJ do Senado, onde o senador amapaense é o presidente.

O irmão do “maior prejudicado” com o apagão de 2020 está no meio do fogo cruzado e do bombardeio de ambos os lados do polo nacional. A sua derrota é trilhada e escrita por seus próprios erros, atropelos e soberba de tentar massacrar a nivel local políticos considerados da "caixa baixa" ou baixo clero, mas quue unidos foram capazes de derrotar seu irmão em 2020. O mesmo poderá acontecer, mas com novos atores em 2022




Deixe seu Comentário