Compartilhe:



Capi segue sendo único nome de peso na disputa pela prefeitura de Macapá

A pré-candidatura de João Capiberibe, o Capi, à prefeitura de Macapá, segue sendo a única com densidade eleitoral, apesar das tentativas das demais forças políticas do estado de gestar algum nome novo. Isolado à frente da disputa, segundo pesquisas informais,  Capiberibe afirma que sua "experiência e o fato de a gente ter um projeto novo e moderno de participação da população por meio de aplicativos que podem ser baixados nos celulares, fazem com que as pessoas se aglutinem ao nosso redor", o ex-senador se refere ao projeto Gestão Compartilhada. Sobre alianças Capiberibe se diz aberto ao diálogo e pronto para fazer novas alianças.

Recentemente o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, confirmou ao portal O Antagonista a pré-candidatura de Capi, que já foi procurado por lideranças nacionais do PSOL. No final do ano passado Capiberibe teve um encontro com Juliano Medeiros, presidente nacional do Partido. Localmente, articuladores políticos como Hildegard Gurgel e Gilvam Borges, tiveram conversas com o político socialista. O ex-deputado Joel Banha e a ex-vice governadora, Dora Nascimento, também mantiveram conversas recentes com o pré-candidato socialista.

Visibilidade nacional

Por possivelmente enfrentar uma candidatura bancada pelo presidente do Congresso Nacional, senador Davi Alcolumbre(DEM), a candidatura de Capiberibe e a disputa eleitoral no Amapá deverão chamar atenção da imprensa nacional. Estarão em disputa o espólio de Sarney, representado pelo próprio Davi, que já foi seguidor do senador maranhense, e pelo governador  Waldez Góes(PDT), que também ainda não apresentou candidato a prefeito. Davi deverá apoiar seu irmão, suplente e empresário da comunicação, Josiel Alcolumbre, que é mentor político do irmão famoso e nunca passou pelo escrutínio popular.

Outro lado

O prefeito de Macapá, Clécio Luis (Rede), entra no seu último ano de gestão sem um nome para disputar à sua sucessão na capital amapaense. 

Clécio, que já ensaiou, em 2018, os nomes do vereador Caetano Bentes, dos secretários David Covrer, Silvana Vedovelli e Claudiomar Rosa, entra no ano eleitoral sem conseguir alavancar nenhum desses nomes para à disputa eleitoral.

Tranquilo, o ex-senador João Capiberibe (PSB),  que lidera todas as pesquisas de consumo interno, não dispensa nem a possibilidade de ter o apoio do atual prefeito. "Conversei com o prefeito Clécio no final do ano passado, agradeci a ele pela participação na implantação do projeto Gestão Compartilhada em Macapá e pedi seu apoio para minha pré-candidatura", afirmou Capi, que apoiou Clécio em 2012 para evitar a eleição de Roberto Góes (PDT) e apoiou Davi em 2014 para que Sarney não elegesse seu candidato


Racha
Davi, Clécio e o Senador Randolfe costumavam formar uma trinca política nas disputas que participaram.
Agora, o prefeito de Macapá enfrenta o desejo de Davi de conduzir o processo político com a candidatura de seu irmão, a revelia de Clécio, e o afastamento do aliado histórico, o senador Randolfe. Nos últimos eventos da PMM, que têm contado com a presença do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM), o senador da Rede não tem comparecido. Antes, Randolfe fez declaração na imprensa nacional anunciando o fim da aliança com Davi.




Deixe seu Comentário

Featured Posts